Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?

Fernando Pessoa



5 de fev de 2011

Sergey Ignatenko




               Sabores


Ah!... Teus lábios de fácil manejo,
Pétalas rubras entreabertas,
Assim tão loucas e espertas,
Nunca se saciam de beijos.

Destilam sonhos, misturam fogachos,
Sacodem o cárdio ensejo!
Beijar-te é comer papo de anjo,
Entornar segredos e raspar o tacho.

O desejo eletrizado
Fareja beijos sincronizados.
Nossas ptialinas, quais meninas,
Dançam nas línguas de amido e melado.

Perdidos na arte fascinante,
Entre sabores provados e provocantes,
Os olhos adocicados vislumbram
Mil corações de chocolate.

Os lábios em comichão,
Já nem se fartam, querem banquete.
O corpo reclama sua porção:
Dá-me estes beijos!

Vão-se notas suaves e picantes,
Mentoladas insinuantes, agridoces reticentes
Nos ósculos deliciosamente indecentes
Que degustamos avidamente.


               Stella de Sanctis