Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?

Fernando Pessoa



6 de dez de 2010

Drew Darcy




SONETO 363 SOLITÁRIO


As raras namoradas são, de fato,
o caso em minha vida mais secreto.
Fui algo parecido ao come-quieto,
embora bem bissexto fosse o prato.

Agora que pertenço ao sindicato
dos cegos, excluídos e sem-teto,
carência dum carinho, dum afeto,
não é maior problema, é o que constato.

Ter sido pouco amado acaba sendo
vantagem, pois não fico acostumado
ao beijo, e dos abraços não dependo.

Na hora de dormir, porém, de lado
me deito, e ao pesadelo mais horrendo
me rendo, em almofadas agarrado.


Glauco Mattoso