Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?

Fernando Pessoa



5 de fev de 2011

Sergey Ignatenko







Era o novo que apontava.
Palavra transbordava como lava,
solidificando terra nova e plantio novo.
Fervia febre que rompia ovo,
tingia rosa e chamuscava relva.
Arco-íris na pele, boca em seiva.
Teu sopro vinha-me ao ombro,
escorria suor sobre assombros.
Ardia fogo no ano novo
e eu calava a rebeldia
de tanto amor que nem me cabia.
Já me apercebia
que um ciclo se ajeitava e distendia.
Era o começo impoluto de um novo plano
E Vênus lambia os arcanos.


Stella de Sanctis