Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?

Fernando Pessoa



2 de dez de 2009

Stanislav Plutenko




UMA LÂMPADA BRILHA



(...) Aquela casa, como envelheceu!
(A casa onde morava Carolina.)


E a lâmpada olha tudo, indiferente.

Ah! o abandono dessa lâmpada!
O abandono desse olho imoto, amarelo,
brilhando sem desejo,
sozinho,
no alto do poste fino e lírico!



Carlos Drummond de Andrade